domingo, 8 de junho de 2008

Essa poesia é do Miguel de Servantes no livro de "Don Quixote de La Mancha", eu escutei uma pessoa muito especial (Lucas de Oliveira) declamar ela, depois nunca mais esqueci e ela consegue me tocar de tal maneira que não poderia deixar de postar ela aqui. Sonhar mais um sonho impossível, lutar, quando é fácil ceder, vencer, o inimigo invencível, negar, quando a regra é vender. Sofrer,a tortura implacável, romper, a incabível prisão, voar, no limite improvável, tocar o inacessível chão. É minha lei, é minha questão, virar esse mundo,cravar esse chão. Não me importa saber se é terrível demais, quantas guerras terei de vencer por um pouco de paz. E amanhã,se esse chão que eu beijei for meu leito e perdão, vou saber que valeu delirar e morrer de paixão. E assim, seja lá como for, vai ter fim a infinita aflição e o mundo vai ver uma flor brotar do impossível chão.

Nenhum comentário: