segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O amor pode ser pérolas em um veludo preto.



Nunca imaginei que encontraria uma definição de amor tão linda num livro de política e estrategias, pois isso acontece esta semana comigo. No domingo terminei de ler o livro “O mestre-de-cerimonias” de Morris West, é um excelente livro com uma trama política comercial envolvente, e com certeza recomendo a quem gostar do tema ler, porem o que mais chamou a minha atenção no livro foi um pequeno dialogo entre o personagem principal do livro, com a mulher que se envolveu na trama.

No capitulo 4 mais precisamente na pagina 98, o casal esta em uma propriedade que fica no campo, vivenciando um final de semana de paixão, e o mestre de cerimônia fica todo preocupado quando a sua acompanhante com apenas uma noite de amor declara para ele no meio de um passeio no jardim que o amo, precisamente com esta frase:

Marta: - eu amo você Gil. Aqui e agora neste jardim, eu amo você.

Ele responde automaticamente que também a ama naquele momento, porem como o personagem é um homem que a todo momento consegue ler o que não esta escrito, e tem toda diplomacia para tratar as pessoas, pois é o mestre de cerimônias no livro, ele sente-se na obrigação de dar uma resposta mais esclarecedora para obter dela a verdadeira intenção quanto ao futuro.  Sua fala:

Gil: - Vamos supor, Marta, uma mera hipótese, vamos supor que a nós dois seja oferecido um amanhã, talvez uma sucessão de amanhãs. O que diremos então?

A resposta de Marta é com certeza a expiração para este post, pois descreve o que pode ser os momentos de felicidade em nossa vida, o valor que eles têm, e o que estes registros podem se transformar para duas pessoas que se envolvem sem o compromisso ou garantia de um futuro.  Segue abaixo a resposta:

Marta: -Não, Gil. Vamos apenas considerar cada dia, cada noite, à medida que se apresentarem. Talvez permaneçam para sempre como pérolas separadas sobre um leito de veludo preto de um joalheiro. Talvez formem uma união tão perfeita que vamos querer convertê-las em num lindo colar sem fim. Para você e para mim, eu acho, seria uma arrogância planejar com antecedência. Seria como dizer que temos o direito ao que é, na verdade, uma dádiva maravilhosa. Hoje, neste jardim, amamos um ao outro. Isso é mais do que suficiente.

Pérolas assim ela definiu o que estavam vivendo. É com certeza uma maneira linda de você dizer para alguém que esta ao seu lado, compartilhando momentos de paixão e desejo, que mais tarde estas lembranças serão perolas em um veludo negro, e assim se desejarem, estes momentos  podem-se  tornarem em uma  linda união.
É uma pena que poucas pessoas hoje são capazes de entregar-se a este ponto, infelizmente vivemos em uma época onde os relacionamentos de entrega e risco como namorar, deixaram de existir  para dar lugar ao envolvimento de ficar, ou seja se você só fica com alguém não pode jamais dizer  “eu te amo” porque isso seria dizer compromisso, o que  é inaceitável  na era da liberdade de comunicação e diversidade, afim porque arriscar a ter um único relacionamento se pode-se ter vários ao mesmo tempo.
Mesmo que seja piegas e fora de moda ressaltar o romantismo, ou passar por ridícula, assumo, e confesso aqui neste espaço que pode ser compartilhado com o mundo todo, que sou uma das poucas pessoas que se entrega verdadeiramente ao que esta sentindo, seja um único momento sem garantias de futuro, me entrego, me arrisco, ouso a dizer eu temo, quero ter muitas pérolas de amor em meu veludo preto na joalheria da minha vida, desejo intensamente fazer um lindo colar com alguém especial.
Termino este post desejando muitas pérolas de felicidade amorosa para todos em 2012!





Nenhum comentário: